Sorrir libera endorfina, o hormônio do bem-estar; sorrir, mesmo sem muita espontaneidade, pode mostrar boa vontade e melhorar a disposição do outro para conosco

Sorrir libera endorfina, o hormônio do bem-estar; sorrir pode mostrar boa vontade e melhorar a disposição do outro
Thinkstock
Sorrir libera endorfina, o hormônio do bem-estar; sorrir pode mostrar boa vontade e melhorar a disposição do outro

Sorrir nos deixa mais felizes: é fato. Esta é a conclusão de um estudo conduzido pelos professores de marketing Aparna Labroo e Ping Dong, da Universidade Kellogg, nos Estados Unidos.  Segundo os especialistas, o sorriso tem que ser verdadeiro: sorrir apenas “para inglês ver”, não engana ninguém, nem você mesmo. Porém, quem acredita que um sorriso sincero – mesmo que não seja tão espontâneo – é um bom começo também tem razão: ele ajuda a quebrar o gelo e mostrar boa vontade.

Conversamos com a psicóloga Jéssica Rossi (CRP: 06/129600) sobre a pesquisa dos professores norte-americanos e o poder do riso. Confira abaixo.

Leia também: Vegetarianos também podem ter dentes fortes e bonitos

iG Saúde Bucal - Sempre ouvimos dizer que sorrir abre portas, então, sorrir mesmo quando não estamos com vontade pode ter um efeito positivo?

Jéssica Rossi - Não é possível afirmar se sorrir de uma maneira forçada é positivo ou negativo para todas as pessoas, pois o ser humano possui sua subjetividade e acaba interpretando a mesma situação de maneiras diferentes.  Mas, toda vez que fazemos algo que nos causa estresse acabamos utilizando mais energia do que normalmente utilizaríamos. Isso pode causar um grande desgaste emocional – portanto, sorrir por obrigação pode ser negativo. Por outro lado, enxergar que sorrir pode deixar a situação mais leve, o torna um ato positivo. Depende muito da maneira que a pessoa vivencia e percebe o ato de sorrir.

iG Saúde Bucal - O “sorriso amarelo” ou “falso sorriso” é percebido assim pelo interlocutor?

Jéssica Rossi - Algumas pessoas são mais sensíveis em interpretar a fala “não verbal” e os sinais de comunicação do outro, ou mais observadoras, o que pode facilitar a percepção de um falso sorriso. Porém, se partimos do pressuposto de que o sorriso está sendo forçado, a situação ou o momento que ele ocorre contribui para isso, então junto com ele existem outros sinais e gestos que podem demonstrar a insatisfação daquela pessoa.

Leia também: Ginástica facial ajuda a manter o seu sorriso sempre jovem!

iG Saúde Bucal - Se o outro percebe que “sorrimos amarelo”, o tiro sai pela culatra?

Jéssica Rossi - A pessoa que percebe que o sorriso emitido não é verdadeiro, dependendo da situação, pode interpretá-lo de duas maneiras. Primeiro, acreditando que o emitente não é verdadeiro e talvez até mesmo [não] confiável ou que existe algo de errado com a situação e/ou a própria pessoa. Por isso, não é possível afirmar qual será a consequência de um sorriso forçado, pois isso está diretamente ligado ao contexto que ele ocorre.

iG Saúde Bucal - Sorrir ajuda a diminuir o nível de estresse?

Jéssica Rossi - Quando o sorriso é genuíno, que realmente expressa felicidade, ele pode ser muito positivo, pois o corpo libera endorfina, hormônio que causa bem-estar e assim diminui o nível estresse.

iG Saúde Bucal - O sorriso, em uma situação nova ou diante de pessoas desconhecidas, ajuda de fato a abrir portas?

Jéssica Rossi -  Para estabelecermos relações sociais é necessário sentir que o outro está aberto para que isso ocorra. O sorriso é um dos sinais de abertura porque é uma maneira muito comum de se comunicar, portanto, sorrir pode facilitar as interações pessoais, mas existem outros comportamentos e sinais que também são muito significativos para se estabelecer uma comunicação assertiva e positiva.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.