Mudanças hormonais podem alterar condições da gengiva, aumentar o risco de cárie e até causar mau hálito; reforço na higiene bucal e visitas regulares ao dentistas irão garantir que você sorria mais pra vida

Mulheres que entram na menopausa devem ter cuidados especiais com a saúde bucal
Thinkstock
Mulheres que entram na menopausa devem ter cuidados especiais com a saúde bucal

A menopausa é um período de muitas transformações para a mulher, tanto físicas como emocionais devido às alterações hormonais. A saúde bucal também é influenciada nesse período, com o aparecimento de sintomas como boca seca, mau hálito e alterações na gengiva. Mantendo cuidados especiais, com o acompanhamento em parceria entre dentista e ginecologista, não faltarão motivos para que as mulheres continuem a sorrir. 

Leia também: Na hora de cuidar da saúde bucal, os filhos "puxam" os pais

Na raiz do problema está a baixa do hormônio estrogênio pelo organismo feminino. O estrogênio é responsável por manter as gengivas firmes e equilibrar o funcionamento das glândulas salivares.

Os principais sintomas são dentes com predisposição à cárie; inflamação nas gengivas; boca seca; mau hálito; mudança na arcada dentária ou dores nos maxilares.

De acordo com João Marcos Ururahy (CRO-RJ 24.404), especialista em implantodontia, ocorrem  “principalmente alterações nos tecidos periodontais. Isso é causado pela diminuição do fluxo salivar que ocorre durante o climatério, facilitando o aparecimento de doença periodontal; tenho relatos de pacientes de que ocorrem também desconfortos como irritação, ardência na gengiva, alteração de paladar e etc.”.

Quando a mulher detectar os primeiros sintomas do climatério, ela deve procurar um ginecologista para fazer os exames que permitirão avaliar os níveis de estrogênio e fazer o diagnóstico correto.

Leia também: Sete dicas essenciais para escolher o dentista dono do seu sorriso

A osteopenia (perda de massa óssea), quando não diagnosticada, pode evoluir para a osteoporose, quadro que também interfere na saúde bucal. “O que acontece é mulheres nesta fase desenvolvem uma perda óssea alveolar [em volta dos dentes], causando perda de inserção dentária e, às vezes, perda de dentes o que impacta diretamente na autoestima. Logo muitas mulheres nos procuram para a reabilitação por meio do uso de implantes dentários”, observa João.

Dentista e ginecologista atuam em conjunto em pacientes com menopausa

É importante a parceria entre o médico ginecologista e o dentista para que eles possam acompanhar e mensurar a evolução dos problemas bucais causados pela menopausa. “Já li vários artigos que apontam que pacientes que usam o “bifosfanato de sódio” tem maior risco de desenvolver necrose óssea na mandíbula quando realizam implantes ósseos integrados”, comenta o especialista para reforçar a importância do diálogo entre as duas especialidades.

Leia também: Alimentos ricos em ômega 3 ajudam a prevenir a gengivite

Reforço nos cuidados com a saúde bucal durante a menopausa

Para prevenir tanto a doença periodontal quanto a cárie nesse período, é essencial atenção extra com a saúde bucal: aposte em três escovações diárias, sem jamais pular a escovação antes de dormir, e complemente com o uso do fio dental e do enxaguante bucal. E já marque na agenda um check-up odontológico a cada seis meses para que o dentista possa identificar qualquer alteração nos dentes ou nas gengiva logo no início do processo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.