O abscesso dentário requer atendimento o quanto antes por um especialista – isso irá assegurar o fim da dor e lhe permitir, rapidamente, voltar a sorrir

O abscesso também pode vir acompanhado de febre e diarreia, escurecer o dente ou apresentar pus na gengiva
Thinkstock Photos
O abscesso também pode vir acompanhado de febre e diarreia, escurecer o dente ou apresentar pus na gengiva

O abscesso dentário é uma inflamação, geralmente, próxima à gengiva que causa gosto amargo na boca, mau hálito, inchaço e dor pulsátil. Quando ele surge, não basta tomar um analgésico para a situação voltar ao normal. Descubra por que, nesse tipo de caso, procurar a ajuda de um dentista é a melhor garantia para voltar a sorrir em dois tempos.

Há três tipos de abcessos dentais, conforme explica Caio Vinícius G. Roman-Torres (CR-SP: 58164), docente da disciplina de periodontia do curso de Odontologia da Universidade Metropolitana de Santos (Unimes). 

Leia também: Sete dicas essenciais para escolher o dentista dono do seu sorriso

“O abscesso gengival, que está confinado apenas na região de gengiva, não afeta o osso e está relacionado com restos alimentares ou objetos que não conseguem ser removidos com a escovação ou o uso do fio dental.  Tem o abscesso periodontal, que fica localizado no espaço periodontal, atingindo a parte óssea e tem origem a partir de um processo patológico periodontal já existente. O abcesso periapical, localizado junto ao periápice [raiz] do dente, tem envolvimento ósseo e seu tratamento exige terapia endodôntica [tratamento de canal]”.

O abscesso também pode vir acompanhado de febre e diarreia, escurecer o dente ou apresentar pus na gengiva. “A sensibilidade do paciente pode levar a uma resposta exagerada [pelo organismo]. O mais importante é o paciente reconhecer os primeiros sinais de que algo está errado e buscar orientação adequada”, avalia Caio.

O abscesso dental não vai desaparecer naturalmente

“Um abscesso não pode desaparecer sozinho.  Seus sintomas podem ser diferentes durante o curso da doença mas isso não quer dizer que o abcesso não existe. A intervenção profissional é compulsória independente do tipo de abcesso”, alerta o professor Caio.

Como é o tratamento do abscesso?

No tratamento, o dentista irá remover o agente ou corpo estranho presente junto à gengiva, podendo complementar com o uso de anti-inflamatórios ou antibióticos. “O abscesso periapical tem como terapêutica o tratamento endodôntico e antibioticoterapia sistêmica e local”, comenta o especialista.

Leia também: Nove motivos para usar o fio dental todos os dias

Se não tratado, a inflamação localizada pode levar à perda do dente, atingir os ossos que sustentam os dentes ou mesmo outros órgãos do corpo, como o coração ou cérebro.

Para a prevenção do abscesso dentário, os cirurgião-dentistas recomendam realizar visitas regulares ao consultório a cada seis meses.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.