A goma de mascar muda de cor e sabor, permitindo que o paciente possa buscar auxílio odontológico de forma precoce

A goma de mascar muda de cor e sabor permitindo que o paciente possa buscar auxílio odontológico de forma precoce
Thinkstock
A goma de mascar muda de cor e sabor permitindo que o paciente possa buscar auxílio odontológico de forma precoce

Cientistas alemães da Julius-Maximilians-Universität (JMU), na Bavária (Alemanha), desenvolveram um chiclete que mostra a presença de bactérias na boca que causam cáries, periodontite e outras doenças bucais. Mecanismos simples que permitam o monitoramento da saúde bucal podem se tornar uma importante ferramenta para garantir um sorriso bonito e saudável a uma maior parcela da população.

Leia também: Especial da Colgate: saúde bucal na infância

Várias doenças bucais são causadas pela ação de bactérias, desde a cárie até a periodontite (gengivite) – dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) estimam que 15% a 20% da população adulta apresentem gengivite.

Segundo os pesquisadores, se já houver algum nível de inflamação, ao mascar o chiclete, um agente colorido será liberado. A goma também mudará do sabor doce, original, para amargo – isso é obtido por meio de um composto chamado denatonium, uma das substâncias conhecidas mais amargas. A decisão pelo marcador amargo foi proposital: como resultado de anos de exposição a venenos, o ser humano é particularmente sensível ao sabor amargo.

Os pesquisadores depois confirmaram os resultados ao testar a saliva dos pacientes com problemas periodontais com os de um grupo de controle, sem a doença.

“Qualquer um pode usar essa nova ferramenta, em qualquer lugar, a qualquer momento sem a necessidade de um equipamento técnico”, declarou, em entrevista ao portal Dentistry Today, o dr. Lorenze Meinel, coordenador do departamento de criação de medicamentos da JMU, e criador do chiclete em conjunto com a PhD Jennifer Ritzer. 

Leia também: 2018 já está aí e quais são as suas resoluções de ano novo?

Pessoas que usam implantes precisam fazer visitas constantes ao dentista para acompanhar a saúde bucal – caso o implante seja infectado por bactérias há o risco do desenvolvimento da doença periodontal, que pode levar até a perda dos dentes.

A expectativa dos pesquisadores é que o uso do chiclete ajude o paciente a, quando necessário, antecipar a visita ao dentista.

A expectativa de Meinel é de que a goma de mascar seja disponibilizada para o mercado consumidor em um período de dois a três anos. Os pesquisadores também estão trabalhando para que o chiclete possa ser usado para o diagnóstico de outras enfermidades.

Leia também: Tenho restauração de amálgama; preciso trocar pela de resina?

“Nós esperamos identificar outras doenças com o nosso método para ‘qualquer um, em qualquer lugar, em qualquer tempo’ tão logo seja possível”, afirmou Meinel.

*Com informações do portal Dentistry Today

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.